Tudo muda o tempo todo: 3 coisas que aprendi no RD Summit 2018

Muita gente fera, uma estrutura excepcional e conhecimento empoderador: assim foram os três dias do RD Summit 2018 em Floripa.
Cinco pessoas do time Woop participaram do evento, e este é o primeiro artigo com os highlights do evento. Tentei resumir em 3 pontos tudo o que aprendi nesses dias 🙂

1. The future is now

Começamos nossa primeira Main Session sendo levados a um mundo futurista (e tão próximo ao mesmo tempo), analisando como a Inteligência Artificial (AI) e a Robótica tem reestruturado a humanidade, com Martha Gabriel, especialista nas áreas de inovação e interatividade no Brasil.

The Wave Dancing GIF - Find & Share on GIPHY

É incrível ver os avanços das máquinas e o quanto elas podem auxiliar no desenvolvimento humano. Projeções nos mostram a proximidade das relações humano x robô no cotidiano e a substituição de grande parte do trabalho que pode ser automatizado pelo uso de AI. Ao mesmo tempo, ficamos naquele Black Mirror vivendo um paradoxo da nossa realidade virtual. Despendemos muito tempo em conversas de Whatsapp, maratona de séries e filmes no Netflix, horas curtindo fotos manipuladas e realidades inalcançáveis no Instagram, uma realidade montada que cada dia torna-se mais comum.

Sad, but true.

 

2. Seja humano, mas com emoção

A grande sacada nisso tudo é saber conviver com tudo isso, sem que deixemos de lado aquilo que nos torna humanos: empatia, ética e emoção, segundo Martha Gabriel (fica a dica para segui-la no insta).

Em vários momentos podemos assistir em palestras de neuromarketing e psicologia aplicada princípios básicos do comportamento humano, que ignoramos ao criarmos nossas estratégias de marketing. Um deles é que “as pessoas odeiam que vendam para elas, mas amam comprar”, segundo Jacco VanderKooij da Wining by Design, então como podemos fazer isso de forma leve e criativa?

Investindo nas experiências sensoriais, sair do óbvio, emocionar, ser relevante, sair da zona de conforto, ariscar-se e sempre pensar pra quem estamos fazendo.

3. Tem que ser divertido

As relações de trabalho e de interação com o digital mudam o tempo todo. A premissa de utilizar a tecnologia a nosso favor e trabalhar menos e de forma inteligente está cada vez mais forte na nova geração. Na velocidade com que as coisas mudam, que nos exigem resiliência e criatividade, devemos andar em passos pequenos e rápidos para não ficar para trás.

Estamos buscando relações de trabalho que vão além de um ambiente bem estruturado, com pausa para o café. Estamos atrás de um trabalho com significado. E porque não se divertir nesse processo todo?

Segundo Glória Maria, “experimentar é quebrar a cara. A gente só quer o lado A, mas também tem o lado B. A vida é feita dos dois.” Se permitir errar, arriscar, superar limitações e saber enfrentar quando as coisas dão errado, definirá nosso sucesso. E porque não, viver tudo isso de um modo divertido, exigindo menos e curtindo muito mais?

 

B Ô N U S

Reba Mcentire Awards GIF - Find & Share on GIPHY

Meet and Great com a ‘crofessora’ de coreografia, Youtuber, ‘cantoura’ e celebridade Gretchen.

Sobre o autor

Adroaldo Foletto

Criativo, antenado, ambicioso e com um belo toque de sarcasmo, esse diretor de arte faz os nossos dias ficarem mais divertidos - e estilosos!

Gostou deste artigo?
Então assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo especial e GRÁTIS.